"Aos leitores, gratidão, essa palavra-tudo."
Carlos Drummond de Andrade

sábado, 31 de outubro de 2009

Sou a síntese do mundo


Sou a síntese do mundo
sou o ápice da solidão
sou o avesso do encanto
sou o fim da poção
sou o côncavo e o convexo
sou a gota no chão
sou o complexo do simples
sou o raio, o furacão
sou a rocha, sou o grão
sou falho, sou falho
sou o não.

(Cybelle Ortins)

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Você me vê


Você me vê e fala comigo
finge que se importa
mas seu aperto de mão me mantém distante
seu abraço é avesso e longe
Então porque manter as aparências?
seja quem você é,
um estranho chegado.
Não sei o que quer
nem o que dizer,
só com você.
Eu queria tanto quebrar esse gelo
mas você não deixa;
queria tanto saber o que você quer
mas quem sabe você talvez nem queira.

(Cybelle Ortins)

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Se eu fosse pequenina



Se eu fosse pequenina
se eu fosse menor ainda,
como seria?
E se eu tivesse asas?
E se eu me escondesse,
você me procurava?
Ah, Se você me procurasse ...
Sabe que eu talvez até pensasse
em não fugir?

(Cybelle Ortins)


quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Construi um mundo


Construí um mundo
para fugir
Um mundo de palavras
onde encontro por trás destas
minha máscara.
Através desse mundo mágico
eu posso ver o mundo real
Nesse mundo posso ser o que quiser
posso até ser homem ou mulher
velho ou menino,
não importa se sou feio ou bonito
não importa o que faço, o que sigo
nada importa, nem ao menos o que digo,
as palavras são mais fortes do que eu
As palavras tem o seu sentido
São por si só.
A palavra faz o seu caminho
por entre os homens,
(Cybelle Ortins)

No cais do porto


Sou uma criança
perdida no porto
me esqueceram, me esqueci no cais
O barco do tempo partiu
e eu fiquei aqui brincando
o barco navegou tantos mares
singrou os muitos oceanos
40 anos se passaram
desde que o barco se foi
e eu ainda estou
no cais do porto brincando.
(Cybelle Ortins)

quarta-feira, 21 de outubro de 2009


Quero estar pronta
quando você vier
Quero escutar os seus passos
quando você se aproximar
quero sentir seu perfume
quero sentir sua pele
quero beijar sua boca
quero que sua alma me leve
quero que no colo me pegue
quero que na calma me espere
quero...
(Cybelle Ortins)

Felicidade


Você nunca virá...
porquê me engana?
Porque me iludir
com vãs promessas?
Se não sou tão importante então
porque encher-me de mentiras?
Você não virá, bem sei agora.
Porque então ainda
deseja me iludir?
Procuras outra, vais embora!
Não me importa se partires
Mas vais sabendo que também te viro as costas
e não voltarás a iludir-me!

terça-feira, 20 de outubro de 2009

sob o sol


Sob o sol escrevo
meus poemas
na areia da praia
fiz meu ponto
o sal é o que dá tempero
à minha rima
e as ondas embalam
meu encanto
o horizonte, o infinito
me dá toda esperança que preciso
pra te alcançar.
(Cybelle Ortins)

Criei asas


criei asas e voei
alto, voei longe
atravessei mares, montanhas
rasguei estradas
joguei estrelas para o alto
virei a mesa
derrubei os pratos
e vou te encontrar.
a neve na montanha,
a neve na estrada
torna mais longa a jornada
mas teu coração
é o farol a me guiar
e o teu abraço
será meu agasalho.
(Cybelle Ortins)

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Caleidoscópio


Fico sentada a noite
num quarto que nem é meu,
repensando mil vezes
o futuro que se perdeu
se perdeu ...
e os pensamentos cortam
o espaço
e chocam-se contra sí
explodindo em mil pedaços
se perdem,se estragam,se vão
Se eu eu soubesse
onde me encontrar
Talvez nem soubesse o que fazer
e se soubesse o que fazer nem ao menos faria
Então pra que juntar os cacos?
O que devo encontrar?
Partido em mil pedaços talvez deva ficar!
(Cybelle Ortins)

domingo, 18 de outubro de 2009

O mar me acariciou



O mar me acariciou,
o mar tomou meu corpo
entre suas ondas e me dominou.
possuiu minha alma.
vou render-me aos seus carinhos
vou esquecer-me em seu vagar
vou viver em desalinho
e deixar-me afogar.
(Cybelle Ortins)

Na sua presença

Na sua presença
o meu conforto
na sua presença
meu porto
na sua presença
minha alegria
na sua presença
luz do dia
na sua presença
minha felicidade
na sua presença
fidelidade
na sua presença
atenção
na sua presença
gratidão
na sua presença
harmonia
na sua presença utopia
na sua presença
tudo que tenho de melhor!
(Cybelle Ortins)

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Vício


No mar lembrei teus olhos
e quis neles me perder
no mar deixei minha alma
nos teus olhos meu querer.

As ondas me encantaram
delas não posso sair
Os seus olhos me prenderam
dos teus olhos não posso fugir.
(Cybelle Ortins)

Nas suas asas


Nas suas asas fiz meu abrigo
sob sua rocha meu castelo
de suas mãos tenho afago
em seu abraço o que mais quero

Só contigo estou segura
só em ti eu tenho vez e voz
Não tenho medo e tenho tudo
já não vejo a noite tão escura

Com seu amor sobre meus ombros
ando sempre segura
Meus pés percorrem o caminho
e sempre tenho sua presença em meu coração.
(Cybelle Ortins)

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Partida


Como serão as coisas
quando da minha partida?
Essa ausência será assim tão evidente?
meu espaço agora tão marcado
pela minha sombra quase vida
ficará lembrando uma ferida
ou será perfume na memória?

Talvez meu trago amargo
possa não deixar saudades
nas vidas que percorri
mas o sangue tem um nó no laço
que não desata assim tão fácil

II

E agora que não tenho planos traçados
nem levo a esperança que perdi
sigo a estrada dos que não tem certeza
e procuro em meio à poeira
daqueles que deixo para trás
se ficou de mim alguma coisa boa do que fiz
e me certifico tristemente de que nada,
nada nos corações que me amavam
eu construi
e saio assim de alma tão vazia
como assim foi a minha vida
tão cheia de tudo e tão perdida

III


Se coisa nenhuma é meu destino
e na minha mala carrego
uma máscara de sorriso
que importa o que deixo
e para onde sigo?
lugar nenhum é meu lugar.


Palavras


Tenho uma porção de frases soltas
procuro um fio para as amarrar
tecer uma teia ou um ninho
onde elas possam descansar
frases caladas e perdidas
procurando a boca e a solta rima
para se libertar
frases que a minha pena,
meu pincel perseguem
a buscar a união perfeita e breve
(Cybelle Ortins)

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Apenas




Nessa brisa que sopra em meu rosto
no embalo dessa noite morna e calma
No passar dos ponteiros do infinito
sinto o beijo quente e doce de Onírio
e nesse sopro eu voo longe e voo alto
longe, longe do imenso e profundo lago
onde estagnei para sempre a minha vida
quisera ir cada vez mais alto e mais longe
e se pudesse por lá mesmo ficaria.
Nunca mais olhar olhos nenhuns
nunca mais ouvir ou ver alguém
apenas andar por sobre montes
apenas planar por sobre mares
apenas olhar todas as flores
apenas correr por muitos vales
longe do ponto de partida
longe do ponto de chegada
longe da minha vida
longe de todas as almas.
(Cybelle Ortins)

domingo, 11 de outubro de 2009

Peço Perdão


Te peço perdão
perdão pelo que pensei
perdão por tudo que falei
-e que às vezes você nem ouviu-
perdão mais uma vez e sempre mais
perdão!

Perdão
te trará paz ao teu e ao meu coração
Quando o amor é verdadeiro
seja como for permanece
O perdão é a cola do amor.
Nenhum amor sincero terá fim
(Cybelle Ortins)

Pardal


Nos seus olhos eu me enxergo
pequenino, fraco e mesquinho
Aos seus olhos eu sou um pequeno pardalzinho
procurei ter no seu ninho
amor, aconchego e carinho
Quanto engano! mas que pena
tenha achado apenas
tristeza e decepção
e assim tens sufocado
ao pardal em tuas mãos.

(Cybelle Ortins)

Percorri



Percorri os montes e os vales
em busca do sol e o achei
percorri poemas e cidades
em busca de um amor
e o encontrei
percorri teu corpo sinuoso
percorri teus olhos e o caminho
percorri tua alma com carinho
percorri, percorri e me achei

(Cybelle Ortins)

Um Dia



O amor um dia soprará sua brisa sobre mim
sentirei seu beijo morno em meu rosto.
o amor que eu procuro encontrarei
entre o sol da manhã e sua tez
Breves sussurros ouvirei a me chamarem
por entre as flores preciosas de um jardim
e flutuando borboletas sobre mim
espalharão segredos e lugares
as luzes todas das estrelas piscarão ao mesmo tempo
e com a mesma intensidade
guiando-me a percorrer os teus caminhos, iluminando a minha felicidade.

(Cybelle Ortins)

Pedra de moinho


Posso ir para o inferno
mas eu volto!
vou avisando logo, logo
que sou forte.
Na pedra do moinho
fui pisada
fatigada na chuva e no sol

Minha pele é suave
meu rosto não traz marcas
minhas mãos ainda são finas

Mas sou forte;
o vento me faz envergar
mas não me parte
a chibata, as minhas costas afaga
a dor é apenas um filho que trago ao colo.
(Cybelle Ortins)

sábado, 10 de outubro de 2009

Toda palavra


Toda palavra
nunca é só uma palavra
toda palavra
é uma pedra
é uma pluma
é uma faca

toda palavra
nunca é vazia,
toda palavra roda por muitas estradas

Palavras falam
palavras calam
dizem muito
dizem nada
nunca são apenas palavras.
( Cybelle Ortins )

Só mais um dia


Uma nova manhã, um novo dia
novas descobertas, novas agonias
Uma nova manhã nos altos céus
Mais um dia, Mais um dia
Só preciso sobreviver por hoje
Só por hoje
Cada dia, cada manhã;
mais uma vez
sentir o cheiro suave de liberdade
Me embriagar de vida
mesmo crua, mesmo dura,
mesmo rota, mesmo suja,mesmo nua
Só mais um dia ...
( Cybelle Ortins )

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Um poema

um poema
todo dia
um poema como feijão e arroz
um poema simples no fogo

lento, cozinhando pouco a pouco
sem marcas, sem rugas, sem vincos
um poema simples como sandalinhas
simples como crianças jogando futebol
um poema pra ficar secando ao sol
(Cybelle Ortins)