"Aos leitores, gratidão, essa palavra-tudo."
Carlos Drummond de Andrade

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Quando eu morrer


Quando eu morrer se alguem puder
derrame uma lágrima de saudade
ou guarde de mim uma foto
pra lembrar que um dia existi
e que fiz parte de alguma história.
Que a minha vida tenha feito algum sentido
que esteja ao menos num vestigio
de memória que se esvai.


(Cybelle Ortins)

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

sua proposta de amor


Sua proposta de amor
é que consome
essa duvida que é seu sobrenome
a incógnita eterna
do eterno amor
o prazer que lateja sofrejando
a chama azul que arde em mim
queimando meu corpo
e minha pele
queimando o pouco juízo que há em mim
queimando a razão
que me enraíza
a razão que me faz resistir
esse amor que não faz nenhum sentido
a não ser o sentido de existir
vem quebrando fortalezas e pilares
que levei anos para construir
vem arrancar os meus castelos
ou vem castelos construir ?
(Cybelle ortins)

sábado, 3 de julho de 2010

LUZ




A liberdade me tocou

sua luz me invadiu

uma luz infinita

que brilha em mim

e eu sou livre

infinitamente livre

porque você acreditou em mim

e eu aceitei você por inteiro

já não há reservas

eu fui cego

e agora vejo
e seu amor é que me liberta
agora já não posso esconder tua luz
porque ela brilha em mim.
(Cybelle Ortins)

domingo, 13 de junho de 2010

Diluído


O rancor foi se diluindo
gota a gota
num copo de lágrimas
toda raiva foi se dissipando
e aquele copo já não é veneno
e tudo se passou
e meu mundo que era tão pequeno
tem hoje o tamanho que dele eu fizer.
ampliando espaços, tirando o mofo
e abrindo as janelas
para esperar os primeiro raios de sol
brilharem e aquecerem novamente meu coração.
(Cybelle Ortins)

domingo, 6 de junho de 2010

Todos Temos

Todos nós temos
todos nós perdemos
todos sofremos
todos sorrimos
todos choramos
todos morremos.
Somos humanos
e partilhamos o mesmo destino.
(Cybelle Ortins)

sábado, 15 de maio de 2010

Silêncio


A bolha explodiu

soprando seu confeti

para todos os lados.

segurando alguns em minhas mãos,

ainda me pergunto porquê,

e porquê não sopra-los?

é tão bom ve-los voando e arriscar!

(Cybelle Ortins)

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Pirata

Olá, estou aqui a te procurar

navegando, não é preciso navegar?

Pois cá estou eu

por mares dantes muito navegados

em sua home page

clicando por todos os lados

em sites e bytes furados

corações à deriva

por todo esse mar

de páginas furtivas,

de qualquer lugar,

Acho sua ilha blog

de porto seguro

para atracar e tentar

tomar seu tesouro

o seu coração,

porquê não?

(Cybelle Ortins)

quarta-feira, 31 de março de 2010

Exclamação!




Cansei de esperar


de sufocar


de reprimir e de chorar,


de disfarçar


o que quer


por que quer sair


só pra falar


só pra sentir


só pra viver


e respirar


e me amar,


e te amar assim,


chorando,


gostando,


sofrendo


querendo,


perdendo,


ganhando,


subindo, descendo


vivendo o que vier


e o que há de vir


como for, onde for


viver é mesmo assim;


se derramando


se espalhando


pra dentro e pra fora


de mim.

quarta-feira, 17 de março de 2010

LÁ ONDE DEIXEI MEUS MEDOS


Lá onde deixei meus medos

é que eu fui buscar

minha esperança

em algum lugarzinho

perdido da infância

pelos caminhos estreitos

da verdade

em meio ao pó;

alí, largado

num cantinho

de parede desbotado

encontrei

minha estrela esquecida

meio sem brilho,

esmaecida

mais ainda estrela

de brilho desgastado;

e foi assim que hoje

abrindo todas as janelas

lá no alto posso olhar pra ela

refulgindo minha

esperança revivida.



(Cybelle Ortins)

sábado, 20 de fevereiro de 2010

SAÍ DE CASA


Saí de casa e vaguei pelo mundo

perdida entre sonhos e estrelas fiquei

hoje olho pra trás e não vejo nada

olho pra frente e não conquistei

hoje ando triste e olho outras almas

cuidando da vida sabendo viver

tristes ou alegres elas vão caminhando

só eu que estou aqui, só eu que parei.

Olho minhas mãos e estão vazias

nada posso levar e nada deixei

me pergunto agitada porque estou aqui,

vendo a vida passar e nela não embarquei?

Tantas vezes eu tento e não dá em nada

Tantas vezes me esforço eu já me cansei

esqueci-me de tudo e o mundo de mim esqueceu

sou mais um vagabundo que se perdeu.

(Cybelle Ortins)

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

O muro


Quero sair desse lugar.
O muro é tão alto.
onde está o portão ?
Estou cega, nada vejo.
Aqui é tão escuro.
Continuo procurando.
O muro é longo,
o muro é frio,
o muro é alto
coberto de espinhos.
Quero ficar aqui,
agachada num cantinho.
Pode ficar pior,
sempre pode,
caio num buraco
é difícil subir
mas subo.
O muro continua alto,
continua longo,
continua escuro.
( Cybelle Ortins)

domingo, 31 de janeiro de 2010

O SOL DO SEU SORRISO


O sol do seu sorriso

iluminou o meu olhar

e meu mundo clareou

todas as idéias verdes

brilharam juntas

caiando de felicidade

minha boca de pérolas,

pétalas de flores

penetram em meus ouvidos.

Se você chega

junto traz a primavera

e quando se vai

deixa a certeza perfumada

de que retorna.

( Cybelle Ortins )

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

A estrela


A estrela cruzou os ares

e partiu

seus cinco pedaços estelares

ao chão

a mão do destino

os espalhou

e o vento levou-as ao longe

cinco pedaços perdidos

nunca mais unirão

e a estrela que partiu-se

sumiu na escuridão.

( Cybelle Ortins )

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

O último e o primeiro


É o último dia do ano

e eu caminho entre as sepulturas do jardim

em cada lápide o meu nome.

Deixo em cada uma delas um pouco de mim,

do que já fui e do que sou.

Vou levar para o ano novo

apenas a esperança

daqueles que ficam

de não serem os próximos a partir

porque sempre resta algo a construir
e a ilusão de que

somos indispensáveis.

É o último dia do ano

e o começo de muitos que virão?

(Cybelle Ortins)